sábado, 16 de junho de 2012

Desvarios de uma noite de sexta-feira

2 comentários
Resolvi ler textos antigos escritos aqui no blog. Há tempos não escrevo e isso dá saudade. Coisas de 2 a 3 anos ainda fazem muito sentido, mesmo que em contextos diferentes.

Lembrar daquela experiência sobrenatural com Deus  traz-me mais fé, assim como ver que as crises que na época pareciam intransponíveis já não existem  mais. Há também muita coisa que não mudou, mas que já não vejo com os mesmo olhos... talvez o tempo seja aquilo que nos faz amadurecer e entender que existem coisas que nunca entenderemos.

Olhar para trás, dá-me a certeza de que nesse tempo que passou não caminhei sozinho. Pelo contrário, caminhei com gente que se importa com o meu bem, demonstrando seu cuidado através de conversas, companhia, saídas, choros, alegrias e orações. E mais, olhar para trás faz com que eu entenda da forma mais profunda o quanto Deus é imutável e fiel.

O meu desejo para os próximos anos? Caminhar ainda mais perto daquele que é o Escritor do livro cujo conteúdo é todos os dias da minha vida. 

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Adeus 2011

1 comentários
2011 foi um bom ano.

Fecham-se ciclos e abrem-se novas possibilidades.
Em 2011, completei meu último ano na faculdade, encarei o tão temido TCC e fui aprovado, passei bons e inesquecíveis momentos finais com colegas e amigos que por 4 anos estiveram juntos: ombro a ombro.
Em 2011, amadureci.
Em 2011, senti a falta de alguns amigos, enquanto novos chegavam para compartilhar de suas vidas.
Em 2011, passei por dificuldades, suportei. Vi a mão de Deus quando muita coisa parecia ruir.
Em 2011, Deus me constrangeu pela Graça imerecida que me alcança cada vez que pensei que conseguiria tudo sozinho.
Em 2011, perdi uma tia querida que sei que vou reencontrar.
Em 2011, orei pelo Japão.
Em 2011, completei a carreira e guardei a fé.

E que venha 2012 e suas possibilidades!

sexta-feira, 27 de maio de 2011

A Holiness de Campo Grande celebra 40 anos

1 comentários
No dia 1 de maio, a Igreja Holiness de Campo Grande celebrou seu aniversário de 40 anos. O evento contou com a participação especial de pastores que passaram pela Igreja de Campo Grande e de pastores filhos da casa enviados para o ministério. Com muita alegria e um profundo sentimento de gratidão a Deus, os membros e convidados especiais trouxeram à memória lembranças marcantes, homenagearam pastores e líderes, e foram desafiados a enxergar o futuro como uma grande oportunidade de bênçãos.

No período da manhã, pastores que passaram pela Igreja de Campo Grande e pastores filhos da casa testemunharam sobre os feitos de Deus e compartilharam experiências do período em que serviram na Igreja de Campo Grande. Após o Culto de Celebração, todos foram convidados para um almoço, que contou com um delicioso churrasco.
“Meu sentimento nesse momento é de estar vivendo um marco. É um sentimento de gratidão a Deus e de alegria de ver a igreja crescendo em todos os aspectos. E isso tem sido uma benção!” diz Américo Yamamoto, organizador da Celebração do Aniversário de 40 anos.

No culto da noite, além do louvor e da mensagem, houve apresentações especiais dos grupos Holyart e Adonai Crew, ministérios de dança e evangelismo, e a exibição de vídeos com fotos antigas e atividades atuais da igreja. A celebração trouxe a todos os presentes a percepção de suas responsabilidades quanto à continuidade do trabalho e de perseverança nas promessas de Deus.

Em 40 anos de história, a Igreja de Campo Grande enviou cerca de XX pastores e missionários e continua a enfatizar a importância do “Ide”. Pr. Luiz Hashimoto compartilhou: “Uma coisa que me deixou muito contente de ver é como a Igreja de Campo Grande, na visão que possui, tem abençoado não só a denominação, mas todos esses pastores convidados. Algo que eu achei interessante foi ver a ênfase no processo de treinamento, ao aprender tudo na prática desde muito cedo. Ver essas coisas é muito gratificante”. Através da prática missionária, o casal Hiroshi e Maria Yamamoto iniciou, há 40 anos, os trabalhos da Igreja Holiness em Campo Grande. Emocionada, a Sra. Maria Yamamoto contou o quanto as orações dos irmãos foram importantes para o casal permanecer firme e prosseguir cumprindo o chamado de Deus. E em poucas palavras, expressando seus sentimentos, o Sr. Hiroshi Yamamoto finalizou: “Deus fez a obra. Então a satisfação é muito grande”.

Publicado na Hora H Online.

domingo, 24 de abril de 2011

Uma luz surgiu naquela manhã de domingo

1 comentários


Ele vive! Ressuscitou o meu Senhor!

terça-feira, 5 de abril de 2011

Um tempo

1 comentários
Há tempos não escrevo e isso faz falta.
Desde a última vez que escrevi muita coisa aconteceu. Coisas boas e ruins tem se revezado, não igualitariamente.
Parece até que o mundo está por um fio. Dizem que em 2012 tudo acaba, será?
Tenho sonhos. Ontem, lembrei-me que, no começo do ano, prometi a mim ser "resposta de oração" para o mundo perdido e será que tenho sido? Talvez, pouco. É preciso ainda sair dessa zona de conforto e ser a expressão do Corpo de Cristo aqui, enquanto ainda há tempo.
Não quero pecar por omissão e nem mesmo por procrastinação. Antes, quero cumprir com excelência o chamado que me está proposto.
Senhor, dá-nos força. Que a Tua Graça e a Tua Misericórdia nos alcance!



quinta-feira, 24 de março de 2011

Notícias reais do Japão

0 comentários

Queridos irmãos e intercessores

Agradecemos as inúmeras manifestações de solidariedade que recebemos através de emails e das suas orações por causa da catástrofe que sobreveio sobre o Japão na forma de terremoto, tsunami no dia 11 de março e agora crise nuclear.

Estamos vivendo momentos de medo e incertezas pós-catástrofe e por isso precisamos da direção do Senhor para nos conduzir nesses tempos difíceis para a nação japonesa e para a comunidade brasileira que vive aqui. Atualmente somos em torno de 250 mil de brasileiros no Japão.

Já faz quase duas semanas que ocorreu a catástrofe e as equipes de resgate continuam a procurar as vitimas e os números continuam aumentando a cada dia (dia 23/03 está em 25 mil entre mortos e desaparecidos). No domingo, nove dias depois, encontraram uma avó de 80 anos e um neto de 16 anos entre os escombros de uma cidade que foi varrida pelo tsunami. Eles sobreviveram em condições precárias. Parece que o neto conseguiu achar comida e alimentava a avó que ficou com a perna presa. Por milagre conseguiram sobreviver a temperaturas abaixo de zero no final da semana passada.

Escutamos muitas histórias de reencontros e também de perdas e salvamentos milagrosos. Há também muitas histórias de solidariedade nascidas na tragédia.

Uma das mais belas é a dos cientistas e técnicos da Usina Nuclear de Fukushima que estão tentando solucionar o problema do resfriamento dos reatores que ficou danificado por causa do tsunami. Eles foram apelidados de “Os 50 de Fukushima”. São homens que sabem que correm risco de vida mas estão ali demonstrando o seu amor pela nação, seu povo que depende deles para evitar um desastre nuclear. Soubemos que dentre eles há 6 membros de uma Igreja Batista da cidade, são nossos irmãos em Cristo lutando bravamente. Eles estão demonstrando realmente o que é dar a vida pelo próximo. Que o Senhor os sustente nesse momento.

Conversando com um dos líderes da denominação Aliança Cristã do Japão soubemos que a denominação tem cerca de 10 igrejas na região nordeste do Japão, inclusive uma na cidade de Soma, uma das mais atingidas pelo tsunami, mas que por um milagre de Deus todos os templos estão em pé e todos os membros a salvo, nenhum se perdeu.

Mesmo vivendo há tantos anos no Japão ficamos admirados com a disciplina do povo japonês. Nos abrigos não há brigas, roubos, etc. Apesar de estar vivendo em situação de carência de energia, água, comida e aquecimento não vemos os japoneses reclamando. Desde crianças são treinados para enfrentar catástrofes como esses. Nós brasileiros estamos aprendendo muito com os japoneses em como enfrentar crises.

Talvez você se pergunte se não temos medo de viver num país tão instável, sujeito a terremotos e outras catástrofes naturais e agora com essa ameaça nuclear pairando sobre nossas cabeças. Sim, mas por enquanto o Comandante Geral não ordenou a retirada e é sob Suas ordens que trabalhamos. E nos momentos de ansiedade lembramos do Salmo 46 "1 Deus é o nosso refúgio e a nossa fortaleza, auxílio sempre presente na adversidade. 2 Por isso não temeremos, ainda que a terra trema e os montes afundem no coração do mar, 3 ainda que estrondem as suas águas turbulentas e os montes sejam sacudidos pela sua fúria. 11 O SENHOR dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é a nossa torre segura."

Contamos com as orações do povo de Deus no Brasil. Continuem a orar conosco:

1. Ore a Deus para ajudar os cientistas e especialistas dando sabedoria para solucionar definitivamente o problema dos reatores na usina nuclear de Fukushima.

2. Ore por aqueles que perderam tudo: familiares, casas, bens, etc. e que agora vivem em abrigos possam encontrar a esperança em Deus em meio a circunstancia tão adversa.

3. Ore pelos líderes dessa nação para que tenham sabedoria para tomar as decisões acertadas nesse momento delicado.

4. Ore para que a igreja japonesa e de imigrantes, como a brasileira possa atuar de forma relevante, prestando serviço de amor, misericórdia e testemunho em meio à tragédia que se abateu na nação.

5. Ore para os japoneses e estrangeiros que não foram afetados diretamente pelo terremoto e tsunami possam estar receptivos ao Evangelho. Os evangélicos no Japão representam cerca de 0,35% da população.

Pr. Carlos Seiji Kavano
Igr. Metodista Livre - Concílio Nikkei - Campo Missionário no Japão

segunda-feira, 21 de março de 2011

Cristãos da colônia japonesa no Brasil oram por vítimas de terremoto

0 comentários
Depois da tragédia do terremoto, seguido por um tsunami que devastou as regiões da costa nordeste do Japão, um dos diretores da Igreja Holiness do Brasil, Eduardo Goya comunicou hoje ao The Christian Post que estão fazendo campanha de oração e jejum, além de levantamento de fundos para os afetados pela tragédia e membros das Igrejas no Japão.

“Estamos organizando uma campanha de oração e vamos tentar levantar fundos para enviar para lá” disse Eduardo Goya.
A Igreja Holiness é uma das maiores denominações evangélicas no Japão, e possui mais de 38 Igrejas no Brasil voltadas para a colônia japonesa do país.

Goya informou que, de um modo geral, os Cristãos da Igreja brasileira e japonesa não foram afetados diretamente, entretanto algumas Igrejas japonesas da denominação que estão próximas à região do desastre, tiveram eventualmente seus tetos desabados.

“Não temos informações muito detalhadas, porque a comunicação está limitada lá dentro, mas as informações que temos recebidos, eram de que algumas Igrejas teriam sido afetadas com tetos que desabaram. Mas em geral não foram diretamente afetadas”.

Algumas Igrejas Holiness Brasileiras (de Kawasaki e Yokosuka-Oppama) próximas à região de Tóquio são as mais afetadas, segundo o diretor. “Eles estão tendo alguns problemas como abastecimento, falta de alimentos básicos, locomoção, entre outros,” informou ele.

Ele citou também problemas relacionados à energia, combustível e fábricas que suspenderam o trabalho. “Como são trabalhadores que ganham por hora, então estamos prevendo que haverá um grau de dificuldade posterior”.

Desta maneira, Goya disse que a Igreja está preparando uma campanha para ajudar nesse sentido. Segundo ele, também, os brasileiros estão muito assustados com a tragédia. “Há um sentimento de muita tensão, pois nenhum dos nosso brasileiros foram afetados assim. [Eles] nunca viram algo assim, eles ficaram muito assustados”.

O terremoto e do tsunami que abalaram o Japão no último dia 11 continuam a ter consequências e ainda não se sabe a magnitude que tomarão. Segundo a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), nesta terça-feira, foi confirmado que houve mesmo uma explosão no reator 2 da usina nuclear de Fukushima.


Fonte: Christian Post, via Guiame.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Amar a si mesmo

0 comentários
Ed René Kivitz

O mandamento bíblico de “amar a si mesmo” não deve ser confundido com expressões piegas do tipo achar-se admirável, apreciar as próprias qualidades, acreditar em si mesmo ou considerar-se uma pessoa extraordinária. Na verdade, amar a si mesmo é o oposto disso. Implica aceitar a própria fraqueza e limitação, admitir o pecado que mora dentro deste si mesmo egocêntrico, e mesmo julgando-se uma pessoa detestável, cuidar de si e não desistir de viver nem entregar-se à auto-destruição, evitando a auto-condenação no implacável tribunal da consciência lúcida. O amor não diz nada a respeito de quem é amado. Diz tudo a respeito de quem ama. O que é incrível nesse mandamento bíblico é que sugere que mesmo pessoas tão desprezíveis como você e eu são capazes de amar. Muito provavelmente porque de alguma forma em alguma dimensão somos alcançados pelo amor do Cristo, e passamos a amar como Cristo amou, não apenas a nós mesmos, mas a todos quantos cruzam nosso caminho.

quinta-feira, 3 de março de 2011

Sobre o cumprimento de regras legalistas

3 comentários
"Embora vivesse uma vida imaculada como monge, sentia que era um pecador com uma consciência inquieta diante de Deus. Quase não podia acreditar que o tinha agradado com minhas obras. Longe de amar esse Deus justo que pune os pecadores, eu realmente o maldizia. Eu era um bom monge, e obedecia à minha Ordem tão seriamente que, se um monge pudesse chegar ao céu por meio da disciplina monástica, eu era esse monge. Todos os meus companheiros no mosteiro podiam confirmar isso... Mesmo assim minha consciência não me dava a certeza de que eu precisava. Ao contrário. Eu sempre duvidava e dizia: "Você não fez isso certo. Você não foi suficientemente contrito. Você deixou aquilo fora de sua confissão."

Martinho Lutero, citado no livro "Maravilhosa Graça" de Philip Yancey

sábado, 5 de fevereiro de 2011

O nosso ir faz o caminho

7 comentários
"Pensava que nós seguíamos caminhos já feitos, mas parece que não os há. O nosso ir faz o caminho." C.S.Lewis

O futuro é sempre uma incógnita. Os sonhos sempre estiveram presentes em mim, o que é bom. Muitas vezes, porém, sonho é sinônimo de preocupação e ansiedade. Parece que quando imaginamos algo pela frente faz-se necessário o frio na barriga e... a inquietação. Será?
Invariavelmente tendo a me angustiar sobre meu futuro. Renuncio e retomo meus planos uma dezena de vezes. Creio que nossa vida por aqui é como um enredo de um belo romance, em que há uma variedade de possibilidades, personagens e situações. Somos os protagonistas de nossas estórias. E se há uma estória, há também um Autor.
Quando escrevo, não tenho muito completa a idéia sobre a mensagem que vou repassar aos meus leitores. Geralmente, escrevo, apago, escrevo... apago, até que chega um momento em que posso dizer: Está bom! Considero a possibilidade de Deus utilizar uma estratégia parecida com essa para escrever as estórias de nossas vidas. No entanto, Ele tem uma vantagem sobre meros escritores... Ele sabe o que vai ser, de fato, o melhor para seus protagonistas. Deus é esperto, escreve quase 7 bilhões de romances ao mesmo tempo, sério! E mais, um outro detalhe: Ele conversa com seus protagonistas e respeita suas decisões, quem não quer não é forçado.
Há algum tempo tenho percebido minha vida como um romance, daqueles bem legais, sabe? Cheio de alegrias, tristezas, reviravoltas e surpresas. Também percebo a incrível vantagem de ter ao meu lado o Escritor, que me guia de maneira a completar sua obra, minha história. Deus tem sido bom e cada vez que meu coração palpita descompassadamente devido à ansiedade do desenvolvimento do enredo, volto meus olhos para o Autor que, em sinal ao seu grande amor por mim, indica-me o melhor caminho. Não que o caminho será fácil, pois, com certeza, não será. Mas temos paz quando sabemos que estamos no centro da vontade de Deus.
Pode parecer contraditório tudo o que foi escrito em relação à frase do C.S Lewis no começo do texto. Mas creio que Deus nos dá a oportunidade de participarmos efetivamente de nossas histórias. Ele não nos engessa ou nos obriga, mas nos mostra e direciona. Nosso caminho é feito por variadas decisões que Deus nos permite tomar e, por isso, o nosso ir faz o caminho.